ORDEM MAÇÔNICA MISTA INTERNACIONAL "LE DROIT HUMAIN" - OMMILDH
FEDERAÇÃO BRASILEIRA



         

MARIA DERAISMES - FUNDADORA DA OMMILDH

MARIA ADELAIDE DERAISMES, nasceu aos 15 dias do mês de agosto de 1828, em Paris, filha de François Deraismes e Anne Soleil, pessoas abastadas, sendo o pai muito dedicado à cultura e conhecedor profundo da obra de Voltaire. Sua irmã, Antoniette-Anne Maria, sete anos mais velha, ajudou na sua educação. Maria Deraismes sempre teve professores particulares e uma preceptora permanente, não tendo freqüentado escolas regulares. Estudou a Bíblia por conta própria, assim como os livros sagrados das religiões orientais. Interessou-se também pelos filósofos ingleses, alemães e franceses do século XVIII e, para poder ler os sábios da Antigüidade no texto original, aprendeu grego e latim. Teve também aulas de pintura com dois pintores famosos, além de aprender música e piano.

Quando tinha 24 anos, em 1852, seu pai faleceu. Ela ficou com a mãe e continuou a estudar e escrever. Escrevia comédias-provérbios que estavam muito em moda em Paris e eram interpretadas nos salões residenciais de pessoas cultas e da alta sociedade. Escreveu peças teatrais e chegou a publicar "O teatro em casa". Publicava também artigos em jornais famosos, sempre defendendo os direitos da mulher, o que lhe valeu a fama de polêmica e apóstola dos direitos femininos.

Tinha Maria 33 anos quando sua mãe faleceu, tendo ela ficado isolada durante meses. Quatro anos depois, em 1865, sua irmã ficou viúva e voltou para casa. As duas irmãs se entendiam muito bem e tinham uma renda mensal capaz de lhes assegurar uma vida confortável e sem preocupações financeiras, permitindo que Maria se dedicasse às suas atividades intelectuais, abrindo seus salões à elite pensante parisiense.

Nesta época, a igreja católica combatia ferozmente a Maçonaria, a ponto de, numa pregação na catedral de Notre-Dame, o padre Loison dizer que os membros da Maçonaria deveriam ser dizimados. A Franco-Maçonaria resolveu então se defender. Com dificuldade conseguiu autorização dos poderes constituídos para fazer palestras públicas. Estas palestras eram dadas na sede da Maçonaria e eram chamadas palestras filosóficas, sendo que qualquer pessoa poderia assistir, inclusive mulheres. A Maçonaria pediu então o auxílio de Maria Deraismes, que ficou indecisa antes de aceitar fazer a palestra. Como nada acontece por acaso, estando ela ainda por decidir se aceitava ou não fazer a palestra, eis que lê um artigo num jornal arrasando as mulheres "metidas a intelectuais". Ela ficou tão indignada que resolveu aceitar o desafio e enfrentar esta guerra.

Então, em 20 de março de 1866, no Grande Oriente, portanto dezesseis anos antes de sua iniciação, ela falou sobre "A Moral", que ela definiu como sendo "A aplicação dos axiomas da Justiça, do Belo e do Bom na vida cotidiana". Foi um sucesso total reconhecido até por aqueles que foram ouvi-la para poder criticá-la, como um grande jornalista que disse: "Eu confesso que cheguei à conferência de Maria Deraismes pensando encontrar uma velha solteirona metida a intelectual e nula. Minha surpresa foi ver uma jovem mulher, com o rosto pálido, muito distinta, de uma elegância simples, sem timidez ridícula nem arrogância. Desde o começo ela conquistou a platéia. Uma voz com belo timbre e elocução fácil, uma grande pureza de linguagem, alfinetadas bem colocadas sem serem maldosas, além de um grande bom senso e de incrível erudição."

Continuou Maria a fazer uma série de palestras sempre com salas lotadas e muito polêmicas. Participou do jornal "O Direito da Mulher" e continuou escrevendo artigos. Nesta época, 1866, os salões das irmãs Deraismes mais pareciam uma filial da Loja Maçônica Mars et les Arts, e da redação do Jornal "A Liberdade", do Irmão Emile Grandin.

Mas, Maria sofria de enfisema e após uma violenta crise foi passar um tempo em casa de seu tio perto de St. Malo. Regressou ä Paris em 1871, voltou a escrever artigos, participou ativamente da "Associação pela Melhoria do Destino das Mulheres", fez palestras e fez campanha pela obtenção dos direitos civis e políticos das mulheres. Em janeiro de 1875, fez uma palestra tão explosiva que foi chamada pela polícia para que tivesse mais moderação, tendo sido também insultada pela igreja por defender o direito das crianças terem escolas públicas. Em 1879, ela organizou conferências por toda a França.

Existiam, nesta época, 1880, o Grande Oriente e as Grandes Lojas. Doze Lojas azuis, das Grandes Lojas, dissidiaram e formaram a Grande Loja Simbólica Escocesa. Estas Lojas dissidentes eram das mais avançadas socialmente e a elas juntaram-se outras formando um grupo de 36 lojas. Após muitas discussões, como é natural onde há dissidência, a Loja "Les Libres Penseurs", resolveu mandar para as 36 Lojas o seguinte Convite: "Oriente de Pecq. A Loja Escocesa dos Livres Pensadores celebrará, no dia 14 de janeiro de 1882, sua festa solsticial de inverno por uma sessão solene que será seguida de um banquete familiar. A Ordem do Dia dos trabalhos será a seguinte: INICIAÇÃO AO 1° GRAU MAÇÔNICO de Mademoiselle MARIA DERAISMES". Esse convite foi assinado pelo Venerável Mestre Houbron e mais seis mestres. Nessa época ele falou: "Com a aprovação da Loja, já é hora de se reconhecer o princípio de igualdade entre homens e mulheres pela ação Maçônica. Sendo assim nós vamos iniciar a Srta. Maria Deraismes, a famosa mulher oradora, escritora e filósofa."

Neste dia 14 de janeiro de 1882, dia da Iniciação de Maria Deraismes, ela falou: "Eu agradeço à Loja "Les Libres Penseurs", em Pecq, que hoje me honra aceitando-me entre seus membros. A porta que vocês abriram não se fechará atrás de mim e muitas outras mulheres me seguirão. Hoje vocês são considerados heréticos, porque vocês são reformadores. Uma vez que em todos os lugares estão urgentemente sendo necessárias, vocês não terão que esperar muito para alcançarem o sucesso. A Obediência Masculina, a ortodoxia Franco-Maçom, deve proibir, por algum tempo ainda, a admissão de mulheres nos Templos, além de considerá-las profanas; não deixemos que isto nos preocupe. Trabalharemos ativamente para fazê-los sair de seus caminhos errôneos e, apesar do que eles dizem, trabalharemos e diremos: "Estamos felizes aqui e por fim permaneceremos aqui."

A cerimônia de Iniciação foi emocionante, pois era a vitória de anos de luta. Falaram na oportunidade o Venerável, a Aprendiz Maria Deraismes e o Irmão Georges Martin, da Grande Loja Simbólica Escocesa. Simultaneamente à Iniciação, a Loja enviou uma carta à Grande Loja Simbólica Escocesa, obediência a qual pertencia, retirando-se da Confederação, tornando-se independente.

Mas, as desavenças continuaram; alguns Irmãos voltaram para a Grande Loja e após cinco meses da Iniciação de Maria Deraismes, a Loja Os Livres Pensadores abateu colunas. Mas a luta continuava, e nos salões das irmãs Deraismes o estudo para uma loja mista continuava. Finalmente, a Loja Jerusalém Escocesa, no dia 8 de maio de 1891, resolveu estudar a possibilidade de construir as Lojas Mistas a partir de um projeto apresentado pelo Irmão Georges Martin.

Em junho de 1892, Maria convocou um grupo de mulheres, altamente qualificadas, para se prepararem para uma possível iniciação dia 4 de março de 1893. Numa segunda reunião, todas as disposições foram tomadas para criar, na mais perfeita regularidade, a primeira Loja com todas as mulheres presentes. No dia 14 de março de 1893 é fundada a Loja, tendo como Venerável Fundadora MARIA DERAISMES e como secretária a Irmã MARIA MARTIN, com mais quatorze Irmãs presentes e duas ausentes que foram iniciadas depois. Após quatro sessões que permitiram que as Irmãs passassem pelos graus de Companheiro e de Mestre, a FRANCO-MAÇONARIA MISTA "LE DROIT HUMAIN" foi oficialmente fundada no dia 4 de abril de 1893. A Ordem era constituída por quatorze Irmãs, um Irmão no grau de Mestre, Georges Martin e duas Irmãs no grau de Aprendiz.

Maria, já muito doente e com 64 anos, dirigiu nove sessões ritualísticas nesse ano de 1893, depois teve que permanecer de cama, mas lúcida e ativa até o último dia. Na véspera de sua morte, recebeu uma carta de gratidão da Federação dos Movimentos Feministas, informando da reforma do código Civil a favor das mulheres e reconhecendo nela, Maria, uma das artífices desta vitória por sua luta de 20 anos pelos direitos destas mulheres.

Suas últimas recomendações, dia 5 de fevereiro de 1894, véspera de sua morte, foram: "Permaneçam unidas! Ajudem-se! Socorram-se! E nunca deixem que se rompa sua cadeia de união. Que o elo que vai se romper não seja causa de fraqueza e, soldando muitos anéis novos, façam crescer a força da corrente. Não esqueçam que a porta do templo deve ficar aberta a nossos Irmãos e Irmãs. A Maçonaria que foi praticada até hoje pertence ao passado. Vocês, minhas Irmãs, praticam a Maçonaria do futuro. Eu lhes deixo o templo inacabado, mas persigam, entre colunas, o Direito da Humanidade."

Maria Deraismes faleceu no dia seguinte, 6 de fevereiro de 1894, às 2 horas da manhã, com 65 anos, repetindo: "A gente não se cansa de amar, a gente não se cansa de lembrar..."

Seu entusiasmo conduzirá a Ordem além das fronteiras, das etnias, das religiões e das culturas, fundando rapidamente Lojas fora da França: na Suíça a na Inglaterra. A ORDEM se espalha pela Europa antes de se disseminar em outras partes do mundo.

"Le Droit Humain" foi edificada sobre um sonho maravilhoso: o de unir a humanidade apesar de todas as barreiras, etnias, geopolíticas, religiões e culturas.




Voltar à página anterior
© Federação Brasileira 'Le Droit Humain' - Todos os Direitos Reservados